Web Page Builder

Terminologia SyRSC

Vocábulos que deve conhecer sobre a sustentabilidade e RSC

Ação Social: dedicação de recursos empresariais a projetos de desenvolvimento socioeconómico que apoiam pessoas desfavorecidas, nas áreas da integração social, saúde, educação, formação profissional, arte, cultura, meio ambiente e emprego.


Boas práticas: conjunto de ações desenvolvidas, geradas pela empresa, que tendem a otimizar os resultados.


Capital Social: agrupa as relações da empresa com os diferentes agentes sociais que atuam no seu ambiente, garantindo a sustentabilidade e a responsabilidade tanto face à sociedade como face ao meio ambiente.


Cidadania Corporativa: contribuição de uma empresa para com a sociedade, através das suas atividades principais, investimentos sociais, programas benéficos e compromisso face à política pública. Conceção da organização como membro integrante da sociedade, com o dever de promover o seu desenvolvimento e a preservação do ambiente vital onde desempenha a sua atividade.


Desenvolvimento sustentável: o desenvolvimento sustentável é aquele que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade de as gerações futuras poderem satisfazer as suas próprias necessidades.


Direitos Humanos: liberdades, reivindicações e faculdades próprias de cada indivíduo pelo simples facto de pertencer à raça humana. Isto significa que são direitos de carácter inalienável (uma vez que ninguém, de maneira alguma, pode retirar estes direitos a outro sujeito, além do âmbito estabelecido pelo sistema jurídico) e de perfil independente face a qualquer fator específico (raça, nacionalidade, religião, sexo, etc).


Diálogo social: conjunto de ações de comunicação que se produzem entre os diferentes intervenientes sociais (empresas, administração pública, tecido associativo, etc), com o objetivo de abordar os principais desafios existentes na nossa sociedade.


Diversidade corporativa: estratégia empresarial que aproveita o talento e competências, experiências, perspetivas e necessidades das pessoas que constituem os denominados grupos de interesse da empresa, para conceber e potenciar o modelo de negócio.


Eficiência energética. Prática que tem como objetivo reduzir o consumo de energia. A eficiência energética é a utilização eficiente da energia, otimizando desta forma os processos produtivos e o emprego da energia, utilizando o mesmo ou menos para produzir mais bens e serviços.


Empresa Socialmente Responsável: empresa que incorpora a gestão da responsabilidade em todos os seus âmbitos de atuação e face a todos os seus grupos de interesse.


Espírito empresarial responsável: conceito das Nações Unidas que reconhece o papel das empresas para conseguir um desenvolvimento sustentável e para que as empresas possam gerir as suas operações de modo a fomentar o crescimento económico e aumentar a competitividade, ao mesmo tempo que é garantida a proteção do ambiente e a promoção da responsabilidade social.


Governo das sociedades: princípios orientadores e normas de atuação, formalizados publicamente, que estabelecem o modo de realizar negócios da empresa e a sua forma de se relacionar com os grupos de interesse. Um bom governo das sociedades tem como objetivo fortalecer a faculdade de supervisão sobre a gestão da empresa. 



Além disso, tenta reforçar a exigência de lealdade dos membros. Procura melhorar a transparência e a fluidez na informação proporcionada aos grupos de interesse.


Grupos de Interesse: são as pessoas ou grupos de pessoas interessados na empresa, devido à posição que ocupam em relação à mesma (colaboradores, consumidores, acionistas, etc).


Pegada social: conjunto de impactos gerados pela atividade de uma empresa sobre a sociedade em que opera, afetando positiva ou negativamente as possibilidades do seu desenvolvimento.


Pegada de carbono. É um certificado no qual são medidas as emissões de Dióxido de Carbono CO2 realizadas na cadeia de produção de bens, desde a obtenção de matérias primas até ao tratamento de resíduos, passando pelo fabrico e transporte.


Investimento Social: constitui uma abordagem mais integral da relação empresa-sociedade, que implica a extensão dos critérios empresariais ao campo social, retirando-lhe a faceta caritativa para lhe atribuir uma faceta mais ligada ao desenvolvimento e à sustentabilidade dos projetos.


Investimento Socialmente Responsável (SRI - sigla em inglês): o fenómeno dos investimentos socialmente responsáveis, tal como é conhecido hoje em dia, começou como uma resposta ao regime de "Apartheid" existente na África do Sul, quando muitos investidores decidiram que não queriam financiar empresas com negócios no dito país, uma vez que isso implicava fomentar a política de "Apartheid". Um fundo de investimento socialmente responsável é aquele no qual os investimentos, além de oferecerem a máxima rentabilidade e liquidez com o mínimo risco, respeitam a moral, os valores e o sistema de crenças de cada um. O investimento ético é uma filosofia de investimento que mistura objetivos éticos, ambientais e sociais com objetivos puramente financeiros.


Reputação corporativa de uma empresa é a impressão provocada pelas condutas de gestão nos grupos de interesse, e que condiciona as suas atitudes de relação com a empresa.


Reputação interna: reconhecimento dos funcionários face ao comportamento corporativo da sua empresa, entendendo-se como tal comportamento não só a política de Recursos Humanos, como também o conjunto de políticas corporativas em relação ao resto dos grupos de interesse da empresa.


Responsabilidade Corporativa: condutas exigíveis à empresa pelos grupos de interesse, no âmbito da atividade desenvolvida. Sustentabilidade corporativa: modo de gestão de uma empresa, mantido ao longo do tempo, que tem em conta o conjunto de valores e expectativas que asseguram o seu futuro, minimizam os seus riscos, provocam a sua legitimação social e a escolha dos grupos de interesse para comprar, investir, trabalhar, etc.


O Global Compact ou Pacto Mundial das Nações Unidas define-se a si mesmo como uma iniciativa de compromisso ético destinada a que as empresas de todos os países acolham, como parte integrante da sua estratégia e das suas operações, dez princípios de conduta e ação em matéria de Direitos Humanos, Trabalho e Meio Ambiente.